sexta-feira, 10 de setembro de 2010

a soma de todos os sustos

Eu devia ter uns doze anos quando meu irmão chegou com uma fita VHS em casa todo empolgado. Achei nada mais nada menos que uma ótima idéia rodá-la no nosso novíssimo (sorteado em consórcio) videocassete Toshiba 4 cabeças de 500 kg. Meu brother já assistira o filme em suas mãos num cinema próximo de casa, o saudoso China da Pedreira – de uma época em que a Igreja Universal ainda não tinha começado o extermínio em massa de cinemas no país. Poucos anos depois, eu estaria freqüentando sessões com "Shaolin, o lutador de um braço só" e filmes de ficção científica lado B, com alienígenas dentro de melancias. Mas naquele dia, aos 12 anos, até mesmo num cinema da periferia da cidade eu seria implacavelmente barrado na portaria decorada pelo poster:
Eu sorria por ter a oportunidade de desvendar o mundo da 7º arte, sem saber o que me esperava. Quem gosta de filmes de terror sabe que se trata de "A Morte do Demônio" (1981), de Sam Raimi – bem antes de assumir (e já abandonar) a franquia do Homem-Aranha nos cinemas. É o primeiro da série, que ganhou duas seqüências que descambaram gradativamente para um terrir, um estilo que Raimi aposta sempre que quer sacanear, como no recente Arraste-me para o Inferno (2009). Mas neste primeiro filme, os risos só me seriam liberados muito tempo depois: já com uma boa kilometragem de filmes de terror rodada e a capacidade de discernir tecnicamente os parcos recursos utilizados, o singelo rir de algo por ser trash, enfim.

A história inédita (até então) dos amigos cujo modelo de diversão era se meter numa cabana isolada no meio do mato durante o fim de semana era o suficiente pra mim. Eu não sabia de mais nada, no máximo que eles sofreriam alguma ameaça das bens comuns e fantásticas plausíveis: um lobisomen, um vampiro, até mesmo um alienígena. Eu estava longe de cogitar alguma coisa demoníaca, porque meu irmão apresentou-me o filme pelo outro nome que é conhecido "Uma Noite Alucinante". Logo os jovens da história encontram um material de um antropólogo, que num dia de grande tédio passou a se dedicar a traduções do Necronomicon, o livro dos mortos – que reúne toda sorte de rituais macabro-satânicos. Só que até aí...isso tava muito barato.

Naquele noite eu levaria o maior susto da minha vida ao mesmo tempo em que meu irmão assinaria sua carteirinha do clube dos grandissíssimos filhos da puta! No meio das coisas do cientista, havia um gravador e uma fita que os jovens passaram a ouvir por curiosidade. Nela, ele profere em língua desconhecida o manual de instruções para se evocar os demonho. Ao termino da leitura, Raimi orienta marotamente a câmera atrás de uma das garotas enquanto meu irmão se prepara para me atacar...dando um grito maldito no exato momento em que a moça se vira completamente possessa e visão dos infernos!







O espírito da coisa!





ME FODI TERALITROS! Meu coração já tinha se desintegrado de tantos “tump-tumps” antes mesmo d’eu descobrir as traquinagens que viriam logo mais : árvores estupradoras, o espírito infantil que baixa na namorada de Ash (isso é sinistro pra mim até hoje) e outras cenas marcantes, como a garota presa no porão - que inspirou o clipe de Everlong do Foo Fighters. Sem contar que se você já achava legal que a única maneira de salvar seu amigo que virou zumbi era lhe estourando os miolos, vai adorar livrá-lo do fardo de ser possuído por uma entidade demoníaca: é só esquartejá-lo! Quanto mais pedaços, é mais garantido.

Eu acho que tirar demônio do corpo por esquartejamento é um método que os pastores das igrejas (que tomaram lugar dos cinemas) deveriam experimentar de vez em quando em seus cultos. O que até justificaria aquela gritaria toda.

Uma cena que me deu muito gosto de não ter porão na minha casa!


NOTA: É, eu tive a grande ajuda de: Sam Raimi + irmão sacana + ser medroso mesmo pra levar esse susto horriver! Você que passa por aqui e nunca comenta nada, vamos interagir, diga lá qual maior susto que você já teve em um filme? =)

9 comentários:

Beto Gomez disse...

Meu maior susto também faz parte do rol das feladaputagens. Depois de assistir um daqueles filmes baseados em algum livro do Stephen King (que sempre vinham em 2 fitas vhs), o filme era "Rose Red" e me lembro de uma parte em que um susto era baseado numa frase que um personagem falava "Say cheese!!". Alguns dias depois minha irmã resolveu replicar essa cena enquanto eu descansava na rede do quarto, ela gritou o "Say Cheese!" tão alto e no maior momento de relaxamento, que além do controle remoto ter voado pra cozinha esse susto entrou no top dos sustos que já tive.

Link do Filme disse...

link de Evil Dead (1981), A Morte do Demônio.

AVI + Legendas

http://bit.ly/bWHen9

paulo nazareno disse...

Gracias pelo comentário, Beto. Nunca vi o Red Rose, mas agora me deu uma curiosidade. Rapaz, estojo duplo de vhs, hahha, muita nostalgia. Um abraço.

Vamos ver se mais alguém narra sua experiência por aqui... =)

@ultrajohny disse...

Cara teus post são mto foda, és o melhor blogueiro do pará .-.

paulo nazareno disse...

hahaha, eita pau! Menos, Johny, menos. Gracias pelo comentário.

Snake disse...

Evil Dead rules..assisti novamente dia desses e continuo achando-o demais!

Luiz Fernando disse...

Uma vez quase tive um piripaque assistindo A Casa Da Colina. Naquela cena da cadeira elétrica.

Tentei dormir ainda na mesma noite várias vezes, mais quando relaxava, ouvia o barulho de eletricidade que me acordava na hora.

paulo nazareno disse...

ERRATA:

Revi recentemente. Misturei as cenas. O susto eu levei logo depois em que as moças estão advinhando cartas de baralho. Que viagem. Me parecia tão clara da forma que descrevi no texto. Enfim, tilt na cabeça. =)

@ericsampaio_ disse...

Teralitros.Apelouu pra notação científica.
Maior medo eu não me lembro ao ceto,mas acho que era quando era criança e dava descarga,pensando q era o barulho da Cuca(Sim,a do Sitio do picapau amarelo)