segunda-feira, 23 de maio de 2011

rick moranis






"A Pequena Loja dos Horrores" (1986), de Frank Oz.

domingo, 8 de maio de 2011

quinta-feira, 5 de maio de 2011

# 140 trechos de filmes (de 56 a 60)

Retornando mais rápido do que pensava com essas postagens! Na verdade, tenho vários trechos selecionados há muito, só me falta encontrá-los na internet e escrever alguma besteira sobre a sua importância inexistente na história do cinema. Enfim, continuemos...

Notas: 1) Coloco no blog 5 trechos por post. 2) Colocarei só trechos de filmes que eu vi. 3) Os filmes não precisam ser bons ou conhecidos. 4) A parte do trecho em destaque que lembro e que antes saía no twitter vai estar em azul negrito aqui. 5) Os trechos não precisam ser perfeitos. Pode ter variações, por eu ter visto legendado, dublado ou minha memória falhar. Mas que a idéia confira. 6) Tentarei colocar vídeos dos filmes (ou imagem, cartaz) se possível do trecho em questão (o que é difícil), ou trailer, ou outra cena, o que encontrar. 7) Se der, eu explico o motivo da escolha e representatividade do trecho. É isso.

Outras elucubrações de 56 a 60 ...

[56/140] "O homem forte se defende sozinho. O homem mais forte defende os outros”. O Segredo dos Animais / Barnyard (2006), de Steve Oedekerk.

A alegoria das responsabilidades. O jovem boi (ou seria vaca?) Ottis só queria saber de festinhas e curtição até o dia em que precisa ser responsável pela segurança dos outros animais da fazenda, que é constantemente visada por Coiotes. O trecho são palavras de seu pai, o boi Ben, um grande exemplo para todos e considerado deveras foda na região. Deixo aqui Ben (voz de Sam Elliot) e seu violão, nesta bela interpretação bovina de I Won’t Back Down.





[57/140] "Um schuberry...e um bem bonito...e que não seja muito caro." Monty Phyton em busca do Cálice Sagrado (1975), de Terry Gilliam e Terry Jones. Roteiro: Monty Phyton.

Uma das mulheres mais bonitas que conheci na vida não gosta de Monty Phyton. Como dizem por aí, ninguém é perfeito! Já eu...me espoco de rir por causa desses putos! Esse diálogo entre Os Cavaleiros do Rei Arthur e os temíveis Cavaleiros que Dizem Ni é só uma pequena porcentagem das absurdidades encontradas nas sketches desses ingleses. Neste vídeo legendado, "schuberry" é dado como arbusto. Mas há uma dublagem brasileira em que o Cavaleiro pede “um chubérri”, o que acaba sendo mais engraçado por não termos idéia do que seja isso. Então, sempre que alguém me pergunta algo do tipo “E aí, o que tu queres ganhar de aniversário?”, vocês já sabem o que irei responder em 01:45.




[58/140] "- Pra que serve isso? / - É uma luz azul. / - O que ela faz? / - Fica azul”. Rambo III (1988), de Peter Macdonald. Roteiro: David Morell, Sylvester Stallone e Sheldon Lettich.

Meu amigo Aníbal Bastos lembrou deste trecho no filme em que John Rambo viaja ao Afeganistão para treinar a galera de Osama Bin Laden, que estava metida numa senhora encrenca com os russos. O mesmo filme da cena clássica em que o rapaz atira sua flecha explosiva contra um helicóptero de guerra (que muitos reviveram no game para Mega Drive). Então, Stallone resolve conferir seu equipamento bélico junto de um curioso anfitrião...e prova que até Rambo não é capaz de resistir a uma boa tirada! !




[59/140] “E é assim que morre a democracia: com um grande aplauso”. Star Wars. Episódio III - A Vingança dos Sith. (2005), de George Lucas. 

Esta outra dica veio também do Aníbal, o cara que possui mais quantidade de midichlorians no couro que conheço. É o momento em que Chanceler Palpetine (que na verdade é o Lord Sidious) dissolve as repúblicas/confederações (sei lá) para a criação do que viria a se tornar o Império. O discurso ocorre enquanto o recente Darth Vader começa a tocar o terror indiscriminadamente, mostrando que o futuro será negro para os jedis ou qualquer outro mané que estiver no caminho. É por isso que eu sempre digo que o conceito de “democracia” é: palavra utilizada exclusivamente em discurso de filho da puta, exceto se você for a a Natalie Portman. As palavras da Padmé Amidala em 02:15 (contextualização livre para a realidade).




[60/140] “Venha a mim, venha a mim que eu não agüento mais!!”. Férias do Barulho / Private Resort (1985), de George Bowers. Roteiro: Gordon Mitchell, Ken Segall e Alan Wenkus.

Você, meu jovem, acostumado a mil e uma possibilidades de sacanagem na internet deve estar se perguntando como era a vida dos garotos na época em que e o acesso à pornografia era bastante reduzido e a maioria das pessoas não possuía nem sequer um videocassete. Pois eu vou lhe dizer: A gente aguardava filmes como Férias do Barulho passar na "Sessão das Dez", aos domingos no SBT. Grande expoente de filmes considerados picantes (para tv aberta) desta época, é só um pretexto para mostrar mulheres em biquines minúsculos, bundas e peitos na medida certa para a garotada estimular a imaginação durante a arte do onanismo. Como se não bastasse todo este mérito didático, o filme traz Johnny Depp e situações hilariantes como a do vídeo – este trecho inteiro é uma piada! Uma cena inesquecível para quem viu este filme pré-adolescente e não fazia idéia que como é ver uma mulher nua ao vivo em sua frente. Até hoje, nas doces oportunidades da vida, tenho vontade de falar “Venha a mim...venha a mim que eu não agüento mais!” em 03:40. Viva este momento antes que o youtube tire do ar.



segunda-feira, 2 de maio de 2011

# 140 trechos de Filmes ( de 51 a 55)

Algumas pessoas perguntaram que fim deu aquela minha antiga idéia de colocar 140 trechos de filmes, um por dia no twitter. Bem, resolvi preservar do projeto inicial apenas o número total de trechos, os 140. Retornemos agora com mais 5 pedaços de filmetes que provavelmente nós vimos. Aos poucos vou reunindo sugestões de amigos também, uma boa ajuda pra minha memória de semi-elefante.

Notas: 1) Coloco no blog 5 trechos por post. 2) Colocarei só trechos de filmes que eu vi. 3) Os filmes não precisam ser bons ou conhecidos. 4) Às vezes o trecho que considero(lembro) é maior que o limite permitido, então, a parte que saiu no twitter vai estar em azul negrito aqui. 5) Os trechos não precisam ser perfeitos. Pode ter variações, por eu ter visto legendado, dublado ou minha memória falhar. Mas que a idéia confira. 6) Tentarei colocar vídeos dos filmes (ou imagem, cartaz) se possível do trecho em questão (o que é difícil), ou trailer, ou outra cena, o que encontrar. 7) Se der, eu explico o motivo da escolha e representatividade do trecho. É isso.

Os lembrados de 51 a 55 ...

[51/140] "Fique com o troco, seu animal!" Esqueceram de Mim / Home Alone (1990), de Chris Columbus. Roteiro: John Hughes.

Filme ícone da lembrança de sessão lotada pra mim. Tinha moleque nas portas, no banheiro, no chão, gente saindo pelo ladrão. Por falar em ladrão, aquela dupla (saída de desenho animado) era o auge das gargalhadas que uma criança poderia dar ao ver tombos, quedas, enfim...malfeitores carismáticos se dando mal! No trecho escolhido, Kevin McCallister sacaneia o entregador de pizza de forma genial em 00:41.



[52/140] "Quem é o mestre?!" O Último Dragão / Last Dragon (1985), de Michael Schultz. Roteiro: Louis Venosta.

Este filme divertido bagarai é o verdadeiro samba do crioulo doido. Tem arte marcial, drama, comédia, além de ser totalmente musical. Pra quem não conhece e não sabe o que está perdendo, Bruce Leroy, um praticante de artes marciais e fã de Bruce Lee, tem que enfrentar os vilões mais ridículos quando se envolve com uma bela VJ de discoteca: Um deles é um careca disposto a tudo para lançar sua esposa entusiasta do tecnobrega ao estrelato e o outro é o "Shogun do Harlem", uma figura que passa o dia inteiro com sua patota passeando num furgão e enchendo o saco das pessoas perguntando "Quem é o Mestre?" Lá vem ele de novo com esse papo em 00:28.



[53/140] "Como um peixe!” A Fuga das Galinhas / Chicken Run (2000), de Peter Lord e Nick Park.

Na época que saiu em DVD, convidei amigos da universidade para uma sessão de A Fuga das Galinhas! Entre eles veio uma futura namorada que deve ter pensado “Nossa, como ele é fofo!”. Enfim, eu não faço essas coisas de propósito, mas a fuga das galinhas é uma animação muita massa! (). Entenderam? Stop Motion, animação de massinha e tal... Eu não lembro ao certo o trecho em questão, mas há dois ratos que são contrabandistas explicando a missão que farão: “- Quando ele estiver dormindo, tudo quieto...nós entraremos sorrateiramente no quarto do fazendeiro. / - É, como um peixe! / - Sim e nos vamos...Como um peixe? Nossa, você é mesmo um idiota!”. Rapaz, eu ri muito disso! Virou para mim um exemplo de quando o cara não sabe do que está falando, ou fazendo, ou concordando de forma ingênua com tudo. Sabe lá quem meteu este pedaço no roteiro do filme, já que além de Peter Lord e Nick Park, há contribuição de mais 14 pessoas. Abaixo, uma boa chamada da animação em algum canal de TV a cabo. Os ratos aparecem!



[54/140] "Ele deixa você comer primeiro.” A Malandrinha / Curly Sue (1991), de John Hughes.

Outro freguês da Sessão da Tarde e marco como último filme dirigido por John Hughes. É a história de um sem teto e sua filha espertinha, a malandrinha do título. Sei que eles vão parar no apartamento de uma ricaça bonitona e não lembro se James Belushi dá uns pega na Kelly Lynch, provavelmente é isso que todos esperam e acontece. O que ficou na minha vaga memória foi este diálogo em que a garotinha explica para todas as mulheres adultas como saber se um cara gosta mesmo de você: “Ele deixa você comer primeiro”. Então, meninas, estejam atentas a estas simplicidades em 05:09.



[55/140] “ – Um corvo, tristeza. Dois corvos, alegria. Três corvos, uma carta. Quatro corvos, um menino. Cinco corvos, prata. Seis corvos, ouro. Sete corvos, um segredo que nunca deve ser revelado. / - Por favor, pare…. / - Você matou meu filho, Nemo. Você tirou a única parte de luz que restava em minha alma. / - Nós tivemos que fazer, são ordens de Judah: Nunca deixar testemunhas! Nós não tínhamos escolha… / - Nós sempre temos escolha...” O Corvo: Cidade dos Anjos (1996), de Tim Pope. Roteiro: James O'Barr e David S. Goyer.

Por mais que tentem estragar a história transformando-a num seriado com Mark Dacascos, eu sempre vou gostar do personagem criado por James O’Barr. "The Crow, City of Angels" tem uma atmosfera dark parecida com a do primeiro filme, trazendo um corvo tão bom quanto. No set de vilões, temos Iggy Pop e Thuy Trang ( a Power Ranger Amarelo que morreu cedo). No vídeo, de 01:59 a 03:12, Vincent Perez aterroriza Thomas Jane, terminando com o que eu sempre soube mas não custa nada lembrar: "Nós sempre temos escolha..."