sexta-feira, 29 de janeiro de 2010

quinta-feira, 28 de janeiro de 2010

segunda-feira, 25 de janeiro de 2010

dimmu borgir


Não sabe o que é La Pupuña? Aqui

sexta-feira, 15 de janeiro de 2010

quarta-feira, 13 de janeiro de 2010

10 objetivos para ser mais feliz em 2010

Como eu, você também deve achar esse negócio de listas de fim ou início de ano um saco. Fiz esta pequena reflexão para o ano de 2008 – ainda acho extremamente válida dois anos depois. Mas como o tempo é tudo o que somos e tudo o que não temos, inauguremos a nova temporada desta birosca querida com os dez objetivos para ser mais feliz em 2010. Seguindo os passos, não vai falhar...

1) não cortar mais o cabelo ou a barba

A menos que você seja militar, dos que não vão para o Valhala, não há sentido em se cortar o cabelo ou a barba. Não estou dizendo para você virar um náufrago ou heremita, mas apenas não se importar tanto com isso. O que mais ouvi do meio do ano passado para cá foi “e aí, tá deixando o cabelo crescer?”. Não, porra, só não estou cortando. Sempre cresceu sozinho, nunca me pediu permissão. E na época em que eu era cabeludo eu nunca fui assaltado ou vítima de violência urbana - é mais fácil as pessoas pensarem que eu vou assaltá-las.

A única desvantagem é eu ter me tornado o fornecedor oficial de drogas para os playboys de qualquer festa, sem exceção. Equívoco que acontece comigo mesmo de cabelo curto, quem manda parecer suspeito do cartel de Medellín e usar camisas floridas antes mesmo de surgir o La Pupuña, né? Além disso, os cabeludos entram na moda em décadas alternadas: anos 70, hippies e woodstock; anos 90 com o grunge; e 2010, é o que iremos descobrir.
Resumindo... eu passei dez anos fazendo live action de “o senhor dos anéis” e não consegui passar seis meses como Mark Ruffalo acima do peso (just for fan lovers). Não dá! Tive tempo demais para perceber que não topo com o barbeiro e outros insetos.


2) ser viado (hahaha)


Não se precipite. Ser viado no mundo de hoje nada tem a ver com atração sexual por indivíduos com paridade cromossômica XY. Como diria meu amigo Anderson A. “penso que dar o cu pode ser bom, mas eu não vou experimentar nem pelo c*@&#!!”. O trecho faz sentido, já que tanta gente gosta de fazê-lo e propagar isso por aí, mas ou menos como os crentes e suas revelações; os drogados e suas sensações. A viadagem há de ser bem mais que isso, adaptou-se, espalhou-se pelo mundo transmutando-se em vertentes, tendências, moda e principalmente em neo-denominações : você não é mais nerd, agora é geek; aquela moça não é mais indie, ela é hipster; meu primo não é mais confeiteiro, é cake designer... e este rapaz não é mais fresco, é metrossexual. Se for esperto, já percebeu que isso não vai parar, e na verdade, é tudo meio cíclico e repetitivo – não passa de abobrinhas para jornalistas e formadores de opinião testarem o que fazem de melhor, criar e falar merda. Enfim, eu não sei quanto a você, mas agora eu vou tentar ser bem viado, tá garalhium... porque a viadagem está abalando paris em chamas por aí, toda trabalhada nas roupas da vitrina, nos cabelos dos jovens, no palavreado das pessoas e em todas as artes. E sendo viado ainda posso atrair garotas que se agarram com bibas - inclusive as originais, que atóram sentar no baré – e de que quebra, sendo um viado, poderei chamar os outros viados de “viado” também, sem ser taxado de homofóbico ou outro adjetivo provavelmente criado por algum viado.


3) achar tudo dugaraaaiii véééiii!

Eu não gosto de festas (vou para encontrar amigos e outros motivos). Eu não gosto da música (tenho uma cota de reggae para quatro canções seguidas, e ainda acho alta), eu não gosto das meninas gostosas que eu não consigo conversar por cinco minutos. As mesmas meninas gostosas (elas sabem disso) que ficam se exibindo e fazendo cu doce para uns caras que eu não consigo conversar por trinta segundos (isso porque são homens, o que fatalmente diminui o meu tempo de interesse). Eu não gosto do terrorismo que é feito nessas baladas de trapiche para todos irem para Algodoal (eu já fui três vezes), ilha paradisíaca que virou reduto de tudo que falei até aqui e para onde todo mundo que vai se agarra/come alguém (menos eu, é claro).

Eu não gosto de shoppings centers (que ultimamente estão lotados todos os dias da semana e não consigo entender o que essas pessoas faziam antes quando eles não existiam na cidade), eu não gosto de novela (e da cara de pau dos autores e atores por fazerem sempre a mesma coisa), eu não gosto de jogar ou ver futebol quarta-feira (ou qualquer outro dia da semana), eu não gosto de carros (suas potências e variedades), eu não gosto de cerveja (isso é ruim pra porra, abro exceções), eu não gosto de críticos (de qualquer natureza, basta se autodenominar um), eu não gosto de maconha, jornalistas, reality-shows, publicitários, promoters, poetas ruins, psicólogos, doutores pesquisadores, maxixe e eu não faço a mínima idéia de quando são os dias das lutas do Lyoto Machida. Rapaz, quer saber... FODA-SE! Eu não gostei desse texto. Retiro tudo o que disse, na verdade acho tudo o que escrevi aqui muito dugarááaiiii vééééiii!
A partir de hoje, você vai me encontrar deboua no próximo show da Orquestra Imperial, e com certeza, vai ser deveras bontever! \o/


4) se aparecer


Disseram-me uma vez “e aí, rapaz, como é que vai essa força? Continua se autodespintando?”. Esse negócio de “despintado” quer dizer algo “pouco conhecido” na nossa região. Certamente a autopromoção não é uma das minhas maiores virtudes... até este ano. Eu demorei a entender que a ordem é SE APARECÊ geral!

A Internet é um bom começo e tem mudado a vida de muita gente, do comediante stand up à estudante de ensino fundamental subestimada em suas habilidades sexuais; da banda super descolada alternativa ao cachorro expert em saltos ornamentais. É bom não esquecer de adentrar em todos os dispositivos de redes sociais: orkut (dos antepassados), facebook, google wave (ainda nem sei o que é isso), twitter e formspringles (última palavra em massageador de ego e cantadas frustradas).

O que, você não quer expor sua imagem num mundo onde pessoas puxam câmeras digitais a qualquer momento até do reto? Peça ajuda ao Michael Myers, filho. Eu não sei como é a cara dele até hoje.


5) capitalizar as idéias

Você acha que Bill Gates é rico hoje porque era um gênio? Claro que não. Os caras que são ricos, bem sucedidos hoje em dia não o são porque eram foda, e sim porque souberem vender suas idéias/produtos. Ai é que começa o problema, porque eu tenho certeza que não nasci com uma única centelha de empreendedorismo ou tino para os negócios no meu sangue...até este ano! Serigrafia pornográfica, sorvete de pupunha, fanzines de papel higiênico, batata palha sabor morango, disk bíblia? Não importa que diabos eu pensar, o lance é buscar meios de realizar o troço - só uma pequena orientação administrativa e estudo de clientela, e já é!

“Alô, me veja uma bíblia média com bastante cebola e sem o apocalipse”


6) ser impostor

Pelo andar da carruagem já deu para perceber que o mais importante é o que as pessoas pensam de você e não o que você pensa de você. Sendo assim, meu amigo, já fui poeta, escritor, dublador, compositor, cantor, repórter, crítico de cinema, dramaturgo, ator, músico e ator pornô particular – estes são apenas o que me lembro agora. Então, sejamos impostores até onde nosso raio de ação permitir. Sugestões não faltam, e preste atenção nas dicas para chegar mais longe: monte uma banda intimista-experimental com elementos amazônicos, escreva artigos instigadores sobre cultura –sociedade-contemporaneidade e o espírito do tempo com elementos amazônicos, crie uma associação de críticos de alguma coisa que só interessa a você mesmo com elementos amazônicos, inscreva-se em salões de arte com uma obra baseada na cultura sarracena e nórdica com elementos amazônicos, monte sarais para apresentação de poemas sobre a realidade amazônica com elementos amazônicos, crie um blog e publique desenhos que você têm feito desde os quatro anos de idade...mas não vá me fazer o favor de esquecer a porra dos elementos amazônicos! Vai nessa, que uma ora ou outra você vai ouvir um “GENIAL!”, daí você não vai ter como voltar, garoto, abrace seu destino...mas tente não ficar chato que nem o Caetano Veloso.

Quanto mais eu tento ser sincero, mas eu percebo que as pessoas preferem mentiras. Que em 2010 eu seja o Leonardo DiCaprio em “Prenda-me se for capaz”. Amém.


7) estar pouco se fudendo para...

Ela ficou demasiado puta com você? Tem que entregar o relatório até o meio dia? Última prova do semestre e não sabe nada? Os pedreiros assobiam para você até usando burca? Eles vão tocar tecnobrega durante doze horas ininterruptas? Seu pinto no auge não chega a 15 cm nem arredondando? Roubaram todas as suas temporadas de Dr. House?...

Mermão, eu estou pouco me f*! Você entendeu o espírito da coisa e ganhará mais minutos de vida para seu coração ou alma.


8) jogar videogame

Minha saga como jogador já foi apresentada neste espaço. Depois de mais de dez anos de ostracismo, retorno a este meio de jogatinas que tanta felicidade já me proporcionou. Algumas coisas mudaram. Hoje os games duram uma vida inteira e convido garotas para jogar comigo sozinhas no escuro. Os outros moradores da casa se surpreendem quando de súbito abrem a porta do quarto para perceber...que elas estão realmente jogando videogame comigo.


A verdade é que não importa o quanto triste ou raivoso você possa estar, a vida certamente será melhor com um videogame no caminho. O que? Não gosta de escapismo barato? Então compre um playstation 3, uns duzentos mangos cada jogo.


9)parar de ser gordo

Você realmente achou que este objetivo estaria fora da lista? Claro que não, ele não pode faltar em nenhuma lista de novo ano! Não importa se você tem 50 ou 100 kg, emagrecer é a lei das ruas, lose weight streetwise, yeah! O ano começa e você já começa a criar os alicerces da prisão sem muros do combo: dieta+ academia +sibutramina. Ora bolas, e ser gordo a vida inteira não me parece ser uma prisão muito melhor, não é verdade?
A menos que você seja magro de ruim (dos que ingerem trocentas calorias e não engordam) ou não tiver sérios distúrbios metabólicos geradores de obesidade mórbida, você provavelmente viverá o dilema das duas prisões em algum dos novos 365 dias.

O fato é que, qualquer médico que eu vá, não importa qual, do dentista ao pediatra, eles sempre dizem por questão de SAÚDE! “rapaz, tu tens que deixar de ser gordo, senão tu vais te dar mal no futuro”. Eu realmente não sei o que farei. A história não é mais emagrecer, é mais radical e questão de honra... é “parar de ser gordo”, porque o mundo não é para eles. E experiência não me falta.

10) comer todo mundo

Agora que você é bom selvagem de Rousseau, virou viado, acha tudo ducaralho, está bombando nos meios sociais, estabeleceu canais rentáveis, é competente e muito aventurado no que faz, está pouco se importando com a grande soma de preocupações externas desnecessárias, mata zumbis a rodo em residente evil e parou de ser uma porca... o que você está esperando para comer todo mundo, parceiro? O quesito dez não é um objetivo, apenas uma conseqüência de quem firmou os nove passos anteriores.

Mas sabemos que isso é um jogo complexo e gradual, não é para qualquer um. Tente começar com quem lhe agrada e queira dar para você. Depois, com quem lhe agrada e não queira dar para você. E finalmente o estágio final... quem não lhe agrada e só vai dar para você no dia em o planeta começar a rodar ao contrário! Qualquer coisa, lembre do passo 7.


Você já ouviu o que as pessoas falam sobre a esperança né?


Feliz 2010. Que todos realizem os seus planos, exceto os seriais killers e telemarketeiros de cartão de crédito. Vamos nessa, é o jeito...