sexta-feira, 6 de novembro de 2009

# 140 trechos de Filmes no Twitter [26 a 30]

Mais uma rodada de cinco trechos de filmes aleatórios.

Notas: 1) Coloco no blog 5 trechos por post. 2) Colocarei só trechos de filmes que eu vi. 3) Os filmes não precisam ser bons ou conhecidos. 4) Às vezes o trecho que considero(lembro) é maior que o limite permitido, então, a parte que saiu no twitter vai estar em azul negrito aqui. 5) Os trechos não precisam ser perfeitos. Pode ter variações, por eu ter visto legendado, dublado ou minha memória falhar. Mas que a idéia confira. 6) Tentarei colocar vídeos dos filmes (ou imagem, cartaz) se possível do trecho em questão (o que é difícil), ou trailer, ou outra cena, o que encontrar. 7) Se der, eu explico o motivo da escolha e representatividade do trecho. É isso.


Rodando e cantando de 26 a 30, ooieee.

[26/140] “Eu vou enfiar esse taco pela tua garganta e te transformar num picolé!” [Selvagens da Noite / The Warriors (1979), de Walter Hill]

"Selvagens da Noite" passou na noite de um dia qualquer na televisão. Na manhã do dia seguinte, todo mundo já tinha montado uma gang na cidade e adquirido aqueles canivetes que saltam a lâmina, do Paraguai. Acho que James Remar (Ajax) é o ator que ficou mais conhecido depois do filme – o pai do Dexter (o serial killer, não o do laboratório). Essa é uma das minhas cenas preferidas pela presença dos Baseball Furies. Você não vai encontrar uma gang style desse jeito nem em convenção de cosplay. Como podem ver no áudio original, Ajax diz que vai utilizar o taco como supositório no rapaz. Mas bacana mesmo era a dublagem com sotaque de malandro carioca (não achei). Xingamentos ameaçadores em 3:30.



[27/140] "Sim..eu estava testando você, é 9...e este é um número mágico..." [Escola de Rock (2003), de Richard Linklater]

Jack Black às vezes dá uns fora (Envy e Tropic Thunder por exemplo), mas não é o caso de School of Rock. O que parece ser uma grande besteira para alguns, para mim é um dos melhores filmes sobre educação, aprendizado e crianças dentro – e não é preciso gostar de Rock para perceber isso. O trecho é da parte em que ele finge que estava ensinando matemática pros moleques, mais um dos hilários momentos do roteiro de Mike White. Math is a beautiful thing in 0:53.



[28/140] "Texas? Apenas viados e bezerros vêm do Texas! Você não me parece um bezerro, então já sei o que você é!" [Nascido pra Matar/ Full Metal Jacket (1987), de Stanley Kubrick]

A melhor parte e essência do filme é o início. O treinamento dos jovens soldados americanos rumo ao Vietnã, sob a tutela do Sgt. Hartman, é muito desmotivador para quem quiser seguir a carreira militar – além de causar altos risos nos sádicos, inclusive militares. Ouvi dizer que Stanley Kubrick recebeu uma fita do ator atordoando soldados durante tantos minutos, o que foi decisivo para a escolha de R.Lee Ermey para o personagem. Sgt. Hartman, senhoras e senhores, orgulho da pátria ianque em tempos de guerra. O trecho em 3:38.



[29/140] "O que tocamos não tem permanência". (...) Um coração determinado faz os desejos se realizarem. (...) Prefiro ser um fantasma, vagando a seu lado, a entrar no céu sem você. Por causa de seu amor, eu nunca serei um espírito solitário" [O Tigre e o Dragão / Crouching Tiger, Hidden Dragon (2000), de Ang Lee]

"Wuxia Pian" é o estilo desses filmes chineses que se passam numa época em que Isaac Newton ainda não havia descoberto a gravidade. Acho que O Tigre e o Dragão deu um gás internacional no estilo, até a criação de obras primas como "Herói" (de Zhang Yimou) e agora o resvalamento em terras baianas com "Besouro" – filme brasileiro sobre um supimpa mestre de capoeira. Amor, honra e glória inundam essas antigas lendas chinesas e as palavras de Li Mu Bai para Yu Shu Lien. Na falta da cena, vamos de meninas boas de briga e coreografia.



[30/140] “Obrigado pela carona, dona!”
[Creepshow 2 (1987), de Michael Gornick]

Uma das coisas ruins de ser criança é se assustar com qualquer merda. Rapaz, eu tinha muito, mas muito medo desse cara que pedia carona, é atropelado e fica atazanando a motorista que o matou e fugiu sem prestar socorro. E olha que eu estava há anos luz de um dia passar por algo parecido ao que a mulher se meteu. É impossível pra mim não lembrar dessa porra toda vez que ouço alguém dizer “Obrigado pela carona!”. Eu fico rindo e repetindo com uma voz muito escrota “obrigado pela carona, dona..hehe” enquanto os caronas reais da situação ficam me olhando com uma cara de “eu heim! ainda bem que já to saindo desse carro!”. Neste mesmo volume de Creepshow tem ainda a história do índio de madeira assassino e da gosma do lago, que vai comendo todo mundo que não enxerga a placa de "Proibido Nadar". Vejam essa tranqueira a partir de 2:08.

3 comentários:

Nega disse...

HAHAHAHAHAHAHHAHA
escola do rock NAO!!!


E PUXA!
essa cena e esse diálogo do tigre e o dragao é realmente muito bonito (L)

paulo nazareno disse...

pow, escola do rock sim!! claro!

gracias por voltar siempre, niegla!

Esfinge de Giz disse...

Ainda considero "Babe, o Porquinho Atrapalhado" o mehor sobre educação, quebra de conduta de Clãs e o melhor da classe 'bichos mais espertos que muita gente'.
Ah, e obrigada pela carona! rs