sábado, 5 de novembro de 2005

O Legado DNA: Capítulo 3 - Seu Hélio

Seu Hélio é um pacato cidadão bancário aposentado que não abre mão da conhecida sesta depois do almoço. Não gosta de aglomerações ou exaltações. Um lugarejo de um interior distante, com ventos velozes, igarapé e peixe frito, para ele, é mais do que o reflexo do paraíso. Seus cabelos grisalhos, cada vez mais brancos, só intensificam a serenidade que paira sobre sua cabeça. Não que ele viva livre de preocupações, ainda mais sendo pai de dois dementes disfarçados que caminham entre as pessoas de bem, mas definitivamente ele é um cara calmo.

Além de lugares amenos, meu pai gosta da 7º arte. Hoje em dia ele possui passe livre nas salas de cinema e por alguma influência minha, já se permite assistir a filmes sem cenas de explosões, finais previsíveis, americanos e americanas e outras peças hollywodianas. Graças a ele eu e meu irmão podemos relembrar em minutos toda a filmografia dos “Trapalhões” – levar-nos ao cinema era um dos programas prediletos. Hoje, quando vamos ao cinema, eu só ataco de Park Chan Wook (Old Boy) pra cima, para balancear os anos de mesmice cinematográfica incrustados em nossas almas.

Recentemente descobri outra coisa que tenho em comum com meu pai. Eu possuo uma característica estranha, uma espécie de habilidade latente que sempre se manifesta ao clique de uma máquina fotográfica. Não sabia de onde vinha, até que um dia encontrei várias provas em antigos álbuns de família. Não é proposital, não importa o que aconteça, eu sempre saio fazendo caretas em fotografias, como o meu pai.

Como diz o pequeno urso num antigo desenho do Pica Pau: “Esse é o meu pai!”. Dele eu herdei a minha figura calma e tímida, o gosto por filmes - estendido para todos os estilos - e a habilidade extraordinária de sair em fotos sempre fazendo careta.

Cena do filme "Um filho de seu Hélio" - um passado humilde, um presente mais humilde ainda e um futuro pra lá de humilde.

6 comentários:

Adriano Mello Costa disse...

Texto peculiar meu amigo...
Futuros humildes, mas nao menos nobres e divertidos....somos a rale do bem... :))

Anónimo disse...

Poxa Paulo, do teu jeito tu fizestes uma baita declaração pro teu pai... É legal quando a gente reconhece nossas origens...
Tenho certeza de que ele deve se orgulhar de ti, como eu tenho.
Beijos,
Elisângela Gusmão

Luana D'Antona disse...

Adorei conhecer um pouco sobre seus ascendentes através dessa "trilogia" Diou!!!Ainda falta mais alguém?rsrss
Ah... quando é que vou ler teu premiado conto hein???
beijos

Sayô disse...

Oiiiiiiiiiiiiii
Boa Semana pra vc
Eu tb naum curto BANDAS DE FORRO. Gosto mesmo eh de uma boa MPB...
VANDER LEE é um dos meus preferidos!!!!!!!!!!!
Beijos

Sayô disse...

Oiiiiiiiiiiiiii
Boa Semana pra vc
Eu tb naum curto BANDAS DE FORRO. Gosto mesmo eh de uma boa MPB...
VANDER LEE é um dos meus preferidos!!!!!!!!!!!
Beijos

Nanda disse...

Tá faltando o legado do teu irmão! Ou será que não encontrei?